CALENDÁRIO LONGO desvaloriza FÓRMULA 1
Por Sérgio Siverly em 17/09/2019, às 16h41

remove_red_eye  1359
Bernie Ecclestone acredita que a categoria deveria ter, no máximo, 16 corridas.
Bernie Ecclestone acredita que aumentar o calendário da F1 tira um pouco do prestígio do esporte. A temporada do ano que vem terá um recorde de 22 corridas com o Vietnã e a Holanda entrando no calendário da categoria. O número de etapas deve ser ainda maior, com 24 provas aparecendo, provavelmente, em 2021, enquanto a Liberty Media responde a crescente demanda dos países interessados. 🗣“É, definitivamente, muita coisa. 16 corridas são o bastante. Quanto mais corrida tiver, mais o produto desvaloriza. Nós já experienciamos essa saturação no tênis. Existem 100 torneios, mas nem 10 são realmente importantes.” Disse Ecclestone para a Auto Motor Und Sport.
🗣“Se existir apenas 16 corridas, os organizadores terão que pagar mais e eles o farão porque o evento será mais valioso devido ao número limitado de corridas.” Em 2021, a F1 terá um novo regulamento completamente diferente e Ecclestone acredita que as boas corridas desta temporada servem como um bom argumento contra quaisquer mudanças radicais. 🗣“As últimas corridas foram do jeito que a F1 deve ser. Se continuar desta forma, a categoria irá tornar-se tão popular quanto costumava ser. Não vejo motivos para grandes mudanças.” 🗣“Se fosse para mudar, deveria ser algo dramático. Por exemplo, voltar aos motores naturalmente aspirados, mas não existe coragem para isso.”

O menino que ficava em frente da TV com um prato fingindo ser um piloto de F1 nos anos 1990 e o cabeça de gasolina por trás do BOTECO F1.

Vídeos relacionados
Desenvolvido por
Contém Tecnologia