LM: "IMPROVÁVEL que a F1 DEIXE de SER IMPORTANTE"
Por Sérgio Siverly em 28/11/2019, às 12h28

remove_red_eye  783
Liberty Media acredita que a F1 não deve perder o posto de principal categoria do automobilismo mundial.
É improvável que as corridas elétricas substituam a F1 como o pináculo do automobilismo, de acordo com o detentor dos direitos comerciais do esporte. Falando em uma reunião com investidores da Liberty Media Corporation na semana passada, o presidente e CEO do grupo, Greg Maffei, questionou se um campeonato totalmente elétrico como a Fórmula E pode rivalizar com a F1. No entanto, ele indicou que a Liberty Media pode estar interessada ​​em operar uma série elétrica no futuro. https://youtu.be/ytSMK2mkGCw 🗣“Gostaríamos de uma série elétrica em algum momento? Claro! Temos a F2, a F3, séries diferentes.” No entanto, Maffei acredita que "é improvável que o auge do automobilismo não seja a F1". 🗣“Podemos ver ao longo do tempo novas formas de combustíveis? Eu acho que é mais provável que você veja isso do que, francamente, um modelo elétrico." https://youtu.be/wti_97joYzo A F1 revelou, recentemente, detalhes de uma nova estratégia de sustentabilidade sob a qual pretende se tornar neutra em carbono até 2030. Isso envolverá a criação do "primeiro motor de combustão interna híbrido de zero carbono do mundo" e o uso de combustíveis avançados para reduzir as emissões. Maffei acredita que há muita “publicidade” nos veículos elétricos no momento. 🗣"Acho que há exageros com os modelos elétricos. Houve uma campanha publicitária autônoma - eu tenho um Tesla, eles têm grande utilidade em determinadas circunstâncias, [mas] não acredito que eles resolverão todas as situações.” https://youtu.be/lEP7Se5w02Y 🗣"E eu não acho que eles irão substituir outras formas de combustão. Talvez biocombustíveis diferentes, mas acho que não vai substituir esse tipo de motor tão cedo. Gostaríamos de integrar todas essas séries? Claro, pelo preço certo.” 🗣“Até o momento, ainda não está claro se é um negócio real. Foi uma grande promoção para alguns patrocinadores, um bom campo de testes, mas realmente não provou que ainda é um grande negócio, esse é o nosso pensamento.” A Fórmula E, que começou sua temporada 2019-2020 no fim de semana passado, pertence à Liberty Global, que é separada da Liberty Media. No entanto, John Malone, presidente da Liberty Media, também é diretor da Liberty Global. https://youtu.be/YCZrYsJVG20 Mercedes e Porsche entraram em equipes de Fórmula E pela primeira vez neste ano, juntando-se à Audi, BMW, Nissan, Jaguar e DS. Enquanto isso, os números de fabricantes da F1 são apenas quatro. Entre eles, a Renault revelou recentemente que está considerando seu futuro na F1. 🗣"A Renault, provavelmente, teve menos sucesso na pista do que gostaria e passou por alguns problemas corporativos não relacionados à Fórmula 1 que podem estar afetando isso.” https://youtu.be/hvRY308P-k8 🗣"Obviamente, eles anunciaram uma revisão estratégica, isso é lógico, considerando todas as coisas que estão acontecendo."

O menino que ficava em frente da TV com um prato fingindo ser um piloto de F1 nos anos 1990 e o cabeça de gasolina por trás do BOTECO F1.

Vídeos relacionados
Desenvolvido por
Contém Tecnologia